sábado, 5 de junho de 2010

Não sei, simplesmente não sei.

Não sei, simplesmente não sei.
Coisa repentina, rápida demais.
Pensamentos desmentidos por acções. Acções criadas pelo ciúme não saudável de uma relação.
A amizade, o tempo disponível um para o outro, o próprio sentimento, foi posto em causa. 'Se calhar gosto demasiado de ti.', 'Se calhar é melhor afastar-me', 'se' 'se' e 'se'. Tantos Se's. Demasiados.
Disse que te amava best, como um irmão. Disse e voltava a dizer as vezes que fossem necessárias, porque é verdade. É tudo o que sei. A nossa amizade já superou muito, e tenho a certeza de que continuará a superar. Mas tenho medo. Medo de estragar-Te, estragar tudo como eu costumo fazer.
A nossa amizade é a prova de que as coisas podem resultar de outra maneira.
Não sei, simplesmente não sei.


[Desculpa, sou fraca]

6 comentários:

  1. É uma espécie de cíume, não o cíume (disse'me) ..
    As coisas melhoraram mas agora pioraram um cado, enfim :/

    ResponderEliminar
  2. Huuummm tu e as tuas constantes inquietações a nivel sentimental de amizade...
    A vida vai desfilar, o tempo vai passar e quando tiveres oitenta anos ainda vais andar nisso. Bota fora, aproveita mas é a vida..a fundo!
    Beijocas

    ResponderEliminar