domingo, 4 de julho de 2010

A minha boca sabe a sangue, 2#

- Então, dirigi-me a ele. -

Beijei-lhe a face, e aproximei-me das marcas estranhas que envolviam o seu corpo nu. Aquele cheiro peculiar de O+ fez a minha garganta explodir de dor. Ardia tanto.
Cheguei perto da marca mais próxima. Era também a mais fresca. Percebi que tinha sido feita à pouco tempo, possivelmente antes de eu própria acordar, pois ainda estava totalmente exposta. Lambi a pele em volta da marca, limpando de seguida a ferida; não o mordi, apenas lhe chupei o sangue. Era limpo. Sem doenças, álcool ou drogas misturados com o espesso liquido escarlate.
Repeti o processo em todas as marcas do corpo dele. Não abusando do sangue que extraía de cada uma delas; não era suposto secá-lo e deixá-lo morto na minha cama.
Apenas saciar a minha sede.
Quando terminei, voltei a beijar-lhe a face. Ele acordou.
Perguntou-me o que tinha acontecido, mas não lhe soube responder. Mostrei-lhe as marcas dele, e disse que tinha tratado de as limpar. Disse-me que se sentia fraco. Bolas, bebi demasiado sangue.
Mas lembrei-me: eu ainda tinha as minhas feridas por limpar. Se tinha as mesmas marcas, provavelmente tinha o mesmo ardor na garganta que eu sentia antes.
Beijou-me a face.
Aí, deixei-o apoderar-se de mim, e das minhas marcas.

10 comentários:

  1. gostei (:

    eu saí durante o fim-de-semana, mas queria mais xb

    ResponderEliminar
  2. O+? Isso não existe. Quanto muito O2-

    mas gostei (x

    ResponderEliminar
  3. Ahaha xD Estavamos a falar de sangue --' Nem mesmo lendo o texto percebi (eu levei pá fisico.quimica, sorry lá ^^')

    ResponderEliminar
  4. Depende :p Se tiver alguma substância dissolvida poderá ter cheiro

    já deu pa ver xD

    ResponderEliminar
  5. Os meus textos são sexys, é xD? ahah

    ResponderEliminar