sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011



Quem me dera que, todas as cartas que te escrevi, (em vão) se transformassem num barco de papel e percorressem o mundo fora. Uma folha clandestina, tal como o nosso amor, ♥

Sem comentários:

Enviar um comentário